segunda-feira, 12 de novembro de 2012

O exemplo que (não) vem do Centro Hospitalar de Torres Vedras



Uma leitora descreveu ao MDP a seguinte realidade:
"No Centro Hospitalar de Torres Vedras existe uma situação no mínimo caricata. O Presidente do Conselho de Administração, Dr. Gonçalves André, tem direito a viatura e motorista particular. Pelo que consta, irritado por lhe terem sido cortados aproximadamente 500 euros de ajudas de custo do seu vencimento, achou-se no direito de ter direito a viatura e motorista particular para as suas deslocações diárias. Convém salientar que o Sr. Doutor vive em Loures.

Assim, o motorista desloca-se de propósito de Torres Vedras a Loures para ir buscá-lo todas as manhãs pelas 7h30m. Dizem as “más-línguas” que algumas vezes também leva os filhos do Sr. Presidente à escola. À noite o motorista e viatura fazem o percurso inverso e voltam para Torres Vedras.
Como é óbvio o motorista tem que fazer horas extraordinárias e, além dos custos do combustível, acrescem também os custos de 4 portagens diárias na A8 (aprox. 200 euros por mês).
A situação ainda é mais cómica visto a viatura ser um Renault 19 bem antigo, com o dístico na traseira a indicar que pertence ao Estado Português. O Sr. Presidente só vai no banco traseiro e o motorista foi obrigado a usar fato e gravata para executar o serviço. No mínimo esta situação é ridícula."

4 comentários:

  1. Parabéns pela vossa iniciativa de divulgação de má despesa pública.

    ResponderEliminar
  2. E é neste país de podres, em que todos se julgam ricos, que vivemos!!

    ResponderEliminar
  3. e fotografia do cromo, para todos ficarmos a conhecer

    ResponderEliminar
  4. Embora neste país tudo seja possível, até custa a acreditar... E anda o Gaspar a esfolar o Zé Povinho até aos últimos cêntimos!... Que tristes!!!

    António Cruz

    ResponderEliminar