sexta-feira, 16 de junho de 2017

A diferença de preços de Ney Matogrosso



Esta sexta-feira Ney Matogrosso dá um concerto em Beja, de entrada gratuita, que se traduz num ajuste directo de 70 mil euros à DivulgaTerra Unipessoal. Esta entidade, até à data, tinha apenas trabalhado com uma entidade pública na concepção, paginação e impressão a cores de nove brochuras cientificas (2015). 
O mais curioso é que o mesmo Ney Matogrosso deu outro concerto, esta quarta-feira, em Coimbra, num espectáculo produzido pela Sons em Trânsito. Aqui o valor cobrado foi mais baixo: 43.000 euros. Algum leitor pode esclarecer qual a diferença entre os dois espectáculos?

8 comentários:

  1. Em Beja tá mais calor. Tem de beber mais cerveja!!!

    ResponderEliminar
  2. Muito simples, um é um concerto de auditório, o outro numa praça para milhares de pessoas. É assim com os grandes artistas!l

    ResponderEliminar
  3. A diferença é que em Beja ha uma offshore em Ponte de Lima...

    ResponderEliminar
  4. O valor que o Artista cobra é o mesmo, a "empresa" contratada pelas Câmaras, ou pela Identidade que promovem e organizam os concertos, é que cobram valores diferentes. Vá-se lá saber porquê...

    ResponderEliminar
  5. Será porque um foi numa sala de espectáculos e o outro ao ar livre que obriga a montagem de palco e toda uma outra estrutura? E isto não é o preço pago ao artista mas de todo o espectáculo.

    ResponderEliminar
  6. Em Beja gasta muitas mais garrafas de água, com estes calores de mais de 40ºC.
    Se a Divulga Terra Unipessoal é mesmo unipessoal, talvez esteja tudo dito?

    ResponderEliminar
  7. Em Coimbra, o Ney abanou menos a peida, por isso,foi mais em conta.

    ResponderEliminar
  8. Caros amigos do Má Despesa Pública:
    Já tive um comentário publicado que, entretanto, foi apagado.
    A que se deveu?
    Foi apagado por engano?

    ResponderEliminar