terça-feira, 7 de junho de 2011

Elefantes Brancos (2): A Casa do Cinema que nunca foi usada


I
“O arquitecto fez uma obra bonita, mas esqueceu-se da sala de projecções” foi um comentário do realizador Manoel de Oliveira, na primeira visita efectuada à Casa do Cinema. Foi construída na Foz, entre 1998 e 2003, segundo projecto do arquitecto Souto Moura, no âmbito da Capital Europeia da Cultura - Porto 2001, e terminada com 2 anos de atraso. Com um custo inicial de 750 mil euros, é propriedade do município desde então. Após 8 anos permanece por inaugurar.

II
A história da Casa do Cinema vem do interesse do município em reunir o espólio do centenário cineasta num centro de documentação. Fitas, prémios e demais património cultural, propriedade de Manoel de Oliveira, seriam assim conservados num edifício público criado para tal.
O projecto, premiado e documentado, não respondeu porém ao programa. Dificuldades de diálogo ou problemas financeiros, as desculpas sucederam-se desde então perante os erros acumulados.
O acervo cedido pelo cineasta foi colocado, provisoriamente, num apartamento alugado pela CMP, para a sua catalogação. Desde 2005 a renda deixou de ser paga pelo município e passou a ser o realizador a custear a sua conservação.

III
Quanto ao edifico, permanece fechado e sem uso desde então. Construído numa zona residencial da Foz, situa-se escondido e isolado no centro do lote. Sem sinalética ou informação quanto à sua localização, é hoje apenas lugar de romaria arquitectónica, com claros sinais de degradação e vandalismo no exterior.
Para evitar mais degradação a Câmara Municipal do Porto propôs, em 2007, acolher na casa alguns serviços municipais, após algumas obras de remodelação. Os sinais de abandono permanecem inalterados.
O realizador homenageado recusou, em 2011, receber a “Chave da Cidade” no seu 100º aniversário. Argumentou a recusa pelos anos de “comportamento incorrecto” do município para com o seu espólio e para com a Casa do Cinema que nunca o acolheu.

Manuel Rodrigues

Fontes:
DN – Diário de Noticias 02.02.2007, JN – Jornal de Notícias 03.08.2007 e
TVI 31.03.2011

Siga o Má Despesa no Facebook

12 comentários:

  1. De facto só neste País...ainda queria continuar como ministério da cultura para esbanjar ainda mais o dinheiro dos contribuintes

    ResponderEliminar
  2. ... para além do mais, a notícia tem como protagonistas dois endeusados parasitas portuenses (que, como habitante do Porto, só me envergonham): Soto Moura e Manoel de Oliveira.

    ResponderEliminar
  3. Chamar parasitas a estes cidadãos assinando com uma espécie de pseudónimo é, no mínimo, um acto de cobardia e tremenda boçalidade. São personagens como este (esta?) Portuendes que merecem o país que temos e as casas do cinema que por aí se vão erguendo são verdadeiros monumentos à qualidade da sua cidadania.

    ResponderEliminar
  4. Safari de elefantes brancos15 de julho de 2012 às 01:13

    Vou acrescentar esta à lista de elefantes brancos para organizar um safari

    ResponderEliminar
  5. Só 750 mil euros. Até foi barato(tem 2 janelas!!!!). Mas para que caralho foi aquilo construído????????????
    Esses gajos era só a tiro. E nós, povo, é que somos os culpados desta merda. Somos ( e a mim me inclúo) uma cambada de mansos que assistimos a isto tudo vezes sem conta e nada fazemos a não ser criticar em conversas informais e blogs. Esta merda anda-me cá a revoltar os fígados que um dia perco o bom senso...............

    ResponderEliminar
  6. isto a continuar asimm vai dar refostedo o nosso 25 de abril nao fez sangue se tivessem erolado umas cabesas hoje pensava-se melhor como gastar o dinheiro de todos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. as cabeças que assim trabalham são as dos que ficaram satisfeitas no dia 25, nem mais

      Eliminar
  7. João Paulo Fernandes Lopes5 de fevereiro de 2014 às 22:42

    Este artigo começa com uma citação:
    " “O arquitecto fez uma obra bonita, mas esqueceu-se da sala de projecções” foi um comentário do realizador Manoel de Oliveira. "
    Ora, se o realizador acompanhou e aprovou o projeto do Arquiteto, seria normal que soubesse que a obra não previa, nem nunca previu, uma sala para projeções (de filmes em bobina); se tanto, a Casa do Cinema está preparada para projeções em vídeo.
    Se o realizador na altura não estaria na posse e uso pleno das suas faculdades mentais, não sei. Ele afirma que é "um fenómeno da natureza". E será, até por esta afirmação contarditória! Mas sei que o projeto nunca previu uma sala de projeções. Então porque havia de tê-la?
    Este blogue, suponho, presta um bom serviço de informação, sobre a temática de despesas públicas consideradas abusivas.
    Porém, estamos no meio da Internet e não se pode dar por certo tudo o que se lê. Quem escreve deve ser responsável e responsabilizado por aquilo que afirma, mormente quando mente, ainda que inadvertidamente.
    Pois se algum abuso houve por parte da CMP na despesa com a Casa do Cinema, foi pelo facto de ter avançado com um contrato com o cineasta para custear a construção od edifício, ao qual foi acrescentada uma residência privada para o realizador.
    O que o autor da notícia desconhece (ou omite, o que é grave!) é que, a cada reunião da CMP com o realizador e o seu advogado, Dr. Miguel Veiga, eram propostas alterações ao contrato pelo Sr. Manoel de Oliveira, quer quanto à Casa quer quanto à residência.
    Saberá o autor porque é que o advogado do realizador, o Dr. Miguel Veiga, deixou de o representar neste caso? Só ele poderá dizer! Já lhe foi perguntado. Creio que não! Se perguntarem, ele responderá sobre o assunto? Também não creio!
    Saberá o autor que o realizador exigia, no contrato, que a residência ficasse na posse dos seus descendentes, ad infinitum, contariando a lei? Sabe a diferença entre o investimento feito pela CMP para homenagear um ilustre realizador do Porto com prestígio mundial, e a miséria de valor patrimonial que ele queria "doar" à CMP? Conhecerá o acervo do realizador para doação à CMP e o "acervo particular" de que ele não largou mão, esse sim com enorme valor patrimonial e afetivo, para a História do realizador e para a História do Cinema?
    Então, Sr. Manuel Rodrigues, se quer prestar um bom serviço, a respeito desta matéria, informe-se para informar melhor, com rigor, pelo menos, se não com isenção!
    Se não consegue responder a algumas questões retóricas que coloco, então não está na posse de todos os factos e isto não é uma notícia. São "arrotos de posta de pescada" que o cardume venera!
    João Paulo Fernandes Lopes, trabalhador da CMP.

    ResponderEliminar
  8. Se a CMP se pôs a gastar dinheiro e avançou com a obra sem que o sr. Manoel de Oliveira cedesse uma parte igualmente interessante do seu espólio, ainda mais grave é o abuso dos dinheiros públicos. É o habitual fazer negócio com o dinheiro dos outros, sem que as contrapartidas valham a pena.

    ResponderEliminar